Celorico da Beira

 

A partir do Hotel Mira Serra (com guia ou com mapa), começamos a visita por uma curiosa rocha, que recebeu o titulo de “Barroco del Rei”, por um monarca sobre a sua sombra ter descansado antes de uma batalha com os Mouros.

Até ao Largo de S. Pedro é a descer, aí pode visitar a Igreja antes de seguir caminho, a subir pelas ruelas do centro histórico, vários pormenores poderão ser observados em fachadas, portas e janelas.

No Largo de Sta Maria está a majestosa Igreja, a Torre do Relógio e o “Solar do Queijo da Serra”. (um palácio do Sec XXVII que no passado já passou por Câmara Municipal, Tribunal e cadeia).

Na subida para o castelo constatam­se as marcas da antiga judiaria. No castelo alem dum passeio pelas muralhas há que visitar a Torre de Menagem onde um centro de “interpretação histórica “, um auditório e um “miradouro virtual” o ajudarão a entender o seu passado. 

Conhecida a lenda da Truta, resta regressar ao Hotel, “atalhando” caminho pela “porta da traição”. 

Regressado ao Largo de S. Pedro, ainda há tempo para aproveitar e degustar nos “Sabores da Serra” mais dos produtos que a região teima em produzir de forma artesanal.

 

Trilho da Serra do Ralo  

A Pequena Rota PR3CLB ”Trilho da Serra do Ralo“ começa e acaba na subestação do Parque Eólico da Serra do Ralo, no Lugar de São Cornélio, freguesia de Vide-Entre-Vinhas. Está inserida no Parque Natural da Serra da Estrela e Sitio Serra da Estrela no âmbito da Rede Natura 2000.


O parque eólico situa-se no concelho de Celorico da Beira, distrito da Guarda. Apresenta uma produção anual equivalente ao consumo da electricidade conjunta dos concelhos de Celorico da Beira, Trancoso, Fornos de Algodres e Gouveia, que reúnem, aproximadamente, 40.000 habitantes.


O Trilho da Serra do Ralo foi criado com o objectivo de melhorar o conhecimento dos pedestrianistas sobre a energia eólica. Na partida, painéis pedagógicos explicam o funcionamento

do parque eólico, desde a formação do vento até à sua utilização para gerar electricidade.


Ao longo dos seus 11,1 km, o Trilho da Serra do Ralo oferece-nos uma vista sobre o Vale de Azares, associado à lenda que conta a história de um fidalgo que habitava num castelo. Um dia, o seu filho morreu, a cavalo, fazendo com que a sua mulher enlouquecesse de dor e a filha se precipitasse de uma janela. O fidalgo abandonou o castelo e mandou-o arrasar, passando o local a ser chamado de Vale de Azares.
O Vale de Azares oferece uma bela paisagem, com marcas de uma intensa actividade agrícola nos seus vastos campos verdes, e vestígios de velhos castanheiros, o que dá uma aura de encanto ao local. 

 

A capela de Nossa Senhora dos Azares e os terrenos cultivados com vários rebanhos de ovelhas, embelezam ainda mais este vale e transmitem o espírito rural da região. O cantar de um pequeno riacho anima o passeio, por caminhos rodeados de giestas e urze, alecrim e rosmaninho, silvas e junco, características desta paisagem serrana. Algumas casas de pedra completam a bela paisagem que o Trilho da Serra do Ralo oferece.


Se caminhar cautelosamente, poderá aperceber-se de algumas das muitas espécies características da zona, como a toupeira, o ouriço-caixeiro, o tagarote (pequeno falcão), o torcicolo (uma ave que gira o pescoço, daí o seu nome) ou o melro-d´água.
Nas proximidades, poderá descobrir também os principais símbolos da região, como os Castelos de Celorico da Beira e de Linhares da Beira, bem como a Torre do Relógio.

 

Trilho de S. Gens  

O Trilho de S. Gens é um percurso pedestre de Pequena Rota (PR), marcado e sinalizado de acordo com as directrizes europeias e nacionais. Este “trilho” é o segundo percurso integrado na Rede Municipal de Percursos de Celorico da Beira.
O percurso parte da Igreja da Misericórdia, em pleno Centro Histórico, onde abunda património digno de uma visita atenta. Segue depois junto ao Bairro de Santa Luzia, calçada romana e caminhos agrícolas até chegar ao Rio Mondego, pela velha ponte romântica, em direcção ao monte das Lameiras. Junto deste pode observar-se a Necrópole Medieval – Necrópole de S. Gens – com cerca de cinquenta e duas sepulturas abertas na rocha granítica. O regresso é feito pelo mesmo caminho voltando a atravessar o Rio Mondego até chegar ao ponto de partida.

Ficha Técnica do Percurso

Nome do Percurso: Trilho de S. Gens
Localização do Percurso: St.ª Maria
Tipo de Percurso: Pequena Rota
Âmbito do Percurso: Histórico – Cultural
Ponto de Partida: Igreja da Misericórdia
Distância do percurso: 6,5 km
Duração do Percurso: 2 horas
Grau de Dificuldade: Fácil
Cota Máxima Atingida: 550 metros (castelo)
Entidade Promotora: Município de Celorico da Beira

 

Trilho das Ladeiras

O trilho das Ladeira é um percurso pedestre de Pequena Rota (PR) marcado e sinalizado de acordo com as directrizes europeias e nacionais. Este “trilho” é o primeiro percurso pedestre integrado na Rede Municipal de Celorico da Beira, promovida pelo Município. 


O Castelo de Linhares é ponto obrigatório de visita, pois no seu interior musealizado, podemos de modo virtual fazer um voo de parapente, bem como visitar virtualmente a região com recurso ao sightseeing, bem como ao fotomaton. Depois desta visita que abre o apetite para o conhecimento deste território, iniciamos o percurso em sentido descendente seguindo por um velho carreteiro (caminho que permitia a passagem dos carros de tracção animal) que desemboca na estrada de acesso à aldeia e continuamos em frente pelo caminho em terra de acesso aos campos de cultivo. Nas bordaduras deste caminho agrícola destacam-se, entre muitas outras, as espécies autóctone como o pilriteiro (crataegus monogyna), pevinca ou boas – noites (vinca minor), violeta –brava (viola palustris). 

Ao longo do percurso teremos oportunidade, com a cuidada atenção, de avistar os milhafres –reais (milvus milvus) e os falcões – peneireiros  (falco tinunclus). Passado algum tempo, o caminho desemboca na estrada, sendo a terra substituída pelo alcatrão, o qual calcorreamos para, após escassos metros, virarmos à direita e seguirmos caminho por entre os campos de cultivo, para seguidamente percorrermos um caminho de pé posto, bem demarcado pela passagem dos rebanhos.
Após alguns metros alcançamos uma estrada florestal que nos conduzirá aos moinhos da Corredoura e pouco depois passamos pela rústica Via Crucis, cujas cruzes de granito se destacam harmoniosamente deste planalto beirão. A pouco – e -pouco encontramo-nos de volta ao pitoresco burgo, precisamente no local onde teve início este passeio por terras de Linhares da Beira.

Nome do Percurso: Trilho das Ladeiras
Localização do Percurso: Linhares da Beira
Tipo de Percurso: Pequena Rota
Âmbito do Percurso: Histórico-Cultural
Ponto de Partida: Castelo de Linhares da Beira
Distância do Percurso: 4,0 km
Duração do Percurso: 3h30m
Grau de Dificuldade: Fácil
Cota Máxima de Altitude: 810 metros (Castelo)
Entidade Promotora: Município de Celorico da Beira

Regulamento do Percurso:
- Não saia do percurso marcado e sinalizado. Preste atenção às marcações
- Evite fazer ruídos e barulhos
- Respeite a propriedade privada. Feche portões e cancelas
- Não abandone o lixo, leve-o até ao respectivo local de recolha.
- Cuidado com o gado. Não incomode os animais.
- Deixe a Natureza intacta. Não recolha plantas, animais ou rochas.
- Faça fogo apenas nos locais destinados para o efeito.
- Evite andar sozinho na montanha. Leve água consigo.
- Guarde o máximo cuidado nos dias de nevoeiro.
- Utilize sempre botas de montanha, impermeável e um chapéu.
- Durante o período crítico de incêndios florestais, em dias de risco elevado ou máximo, o acesso a este percurso poderá ser condicionado. Informe-se pelo 112.